Acompanhe o RSS: Artigos | Comentários | Email

Juro que estou tentando lhe desejar um feliz ano novo

6 comentários

Os Perrusi estão por aí pelo mundo. Um deles sei que está em Acapulco, vá lá não-sei-como. Pediram-me para desejar a todos o feliz ano novo.

Eu?!

Não sei como fazê-lo, sinceramente. Como posso, afinal, ter certeza de que o seu ano será feliz? Sim, falo de você. É uma aposta que não me arrisco a fazer. É provável que tudo continue muito ruim. Aquele tédio… O que disse mesmo o seu psi? Quem é feliz, afinal de contas? Acho muito pretensiosa a felicidade. Além do mais, desejando-a para você, tenho medo de dar azar. Não quero dizer, mas a infelicidade continuará a sua marcha irreversível. A solidão grassará sua vida comezinha.

Infeliz no trabalho, no amor, no futebol, em tudo. Sugiro que beba muito no reveillon, pois. Faça isso. Aproveite todos os pequenos momentos de alegria, mas não confunda com felicidade.

Todo final de ano, olho para trás e fico estupefato. Apesar de tudo, o mundo aguentou mais um ano. Como pôde? E já, já teremos mais doze meses de maluquices.

Todo ano é uma mistura de tragédia e esperança. Teremos mais um ano, acontecerão vários desastres e a esperança ficará, como sempre, a rodar ao lado de urubus, lá em cima, nutrindo-se do desespero. A esperança é um vício e uma doença, mas é a única forma de combater essa sensação de que o Destino existe e já traçou nossa trajetória nesse planeta. E, intimamente, sabemos que as notícias nunca serão boas.

Diante da tragédia, a esperança cria a droga perfeita: o futuro. Mas não existe futuro, apenas um eterno retorno, com uma maquiagem levemente diferente. No próximo ano, tudo se repetirá. E, convenhamos, pior seria se pior fosse.

Por isso, desejo a todos a melhor repetição possível. Que todos encontrem alguma diferença na sua neurose. Enfim, tenham esperança — ou se lasquem.

Não queria dizer, mas digo: os Perrusi escaparam dessa armadilha entre a tragédia e a redenção, pois descobriram a única repetição que vale a pena e que não se transforma em neurose: a preguiça. Não são humanos. Seu Destino já tem seu alfa e seu ômega. No ato mesmo do nascimento, o assunto foi resolvido.

Um Perrusi nasce bocejando, jamais chorando.

Lá fora, o mundo está em chamas.

O Perrusi abre os olhos de perplexidade,

boceja,

cansa

e volta a dormir.

(poxa, avisei a Perrusi Pai para não deixar Luvanor comandar as ações, mas é tarde demais. Já passou da hora. De todo modo, feliz ano novo!)

DimasLins
  1. De qualquer forma, Feliz Ano Novo ao Luvanor, aos Perrusi e a todos os amigos aqui do blog.

    Saudações Atleticanas direto de BH.

    Edmar.

  2. Lamentoso demais. De Luvanor eu esperava mais radicalismo, um chute no saco do ano novo.

    Em todo caso, feliz ano novo para todos; é meio protocolar, mas sincero.

    Artur, o grande Potita vem ou não vem? Hehehe!

  3. André Tricolor Virtual

    Faltando 2 minutos para o devido Ano de 2013, Luvanor conseguiu enganar aqueles que pensavam ter um Ano Novo Feliz.

    Veio um Ano Novo de Novo, onde a felicidade é um artigo de luxo, onde todos procuram uma loja que tenha esse produto e encontram apenas ilusao…

    Ninguém é obrigado a ser feliz, mas vamos buscar algo dentro de nós que permita vivermos em harmonia para suportar as neuroses.

    Feliz (ops) … Ano Novo a todos !!!

Deixe um comentário