Acompanhe o RSS: Artigos | Comentários | Email

A beleza pode ser terrível

3 comentários

Ah, Paris, começo a viver, antes mesmo de respirar.

Ah, Roma…

Roma?! A Cidade Eterna?!

Fui com Tsé-Tsé. Ficamos num hotel bem em frente a Fonte de Trevis. Lugar impressionante. Não sei descrevê-lo a não ser por meio de exclamações demasiadamente imprecisas. Tsé-Tsé conhecia o lugar. Fora um bordel do Vaticano. Tinha relação com seu passado de estripulias. Conhecia o dono. Foi uma festa. Falaram em latim, obviamente.

_Ave, Tsé-Tsé, ave et nequitiam, sicut?
_Ire melius, gratias.
_Vespere moniales?
_Non. Obstrui vitae.
_Quam pietas. Erat sanctimonialis nice.

Não me peçam para traduzir. Não sei latim. Acho que o papo referia-se a freiras, alguma coisa do gênero.

Os problemas começaram na visita à basílica de São Pedro. Quando viu o Vaticano, Tsé-Tsé já começou a ficar inquieto; moderadamente, inquieto. Na basílica, estava distraído, olhando aquele fausto, quando escutei gritos. Era Tsé-Tsé vociferando contra a estátua de Pio XII.

_Nazista. Porco nazista!

Eu e um guarda suíço puxamos Tsé-Tsé pelos pés. Ele afastou o guarda e começou a insultá-lo:

_Sai daqui, rapaz! Aqui, só tem saída, entrada neca, neva!  Fica com teu cardeal!

O guarda suíço, um apolíneo quase impúbere, não entendeu nada. Respeitava a idade de Tsé-Tsé. Devia julgá-lo gagá.

_Tsé-Tsé, fica calmo!
_Diante da estátua de Pio XII?! Jamais!

De repente, saiu correndo em direção ao altar de São Pedro.

_É falso, é falso! Não é Pedro que está enterrado. Seus mentirosos!

Fui correndo atrás do louco e o segurei pelo braço.

_Tsé-Tsé, pelo amor de Bel-O-Kan, comporte-se! Pedro está, sim, enterrado aqui. Fizeram escavações. A arqueóloga italiana Margherita Guarducci encontrou o que seria uma necrópole atribuída a São Pedro, inclusive uma parede repleta de grafitos com a expressão Petrós Ení — “Pedro está aqui”.
_Tudo enganação. Tudo pago. Corrupção braba. Pedro está enterrado numa esquina perto do Panteão de Agripa. Eu descobri isso durante meu doutorado.
_E por que guardou esse segredo?!
_Sou doido, mas não sou burro como você. Um segredo assim é para ser esquecido. Se eu falasse, era morto na hora.
_Tudo bem, tudo bem, mas fique calmo. Deixa a basílica e Pedro pra lá. Bora ver a Capela Sistina.

A última vez que visitara a Capela Sistina fora em 1986. Estava bem no começo da restauração. Era já impressionante. Imaginei, na época, como ficaria toda restaurada. Vã imaginação. Não tinha a mínima ideia de quanto minhas representações estavam erradas.

Fiquei tetanizado pela beleza. Não saía do lugar. Estava emocionado.

A beleza pode ser terrível.

Mas… onde estava Tsé-Tsé?

Estava justamente embaixo do Dedo de Deus, sempre quase tocando a mão esquerda de Adão. Tinha derrubado uma criancinha que queria também ficar ali. A coitada correu assustada. A mãe olhou com raiva, mas teve medo.

Tsé-Tsé chorava copiosamente. Olhava para cima. Estava de ponta de pés, todo esticado, os braços levantados, tentando alcançar, com as mãos, o teto impossível da Capela Sistina. Era uma cena estranha, pois parecia, de fato, que Tsé-Tsé, de tanto se esticar, alcançaria um dia a Criação de Adão.

Cheguei perto e escutei seu murmúrio.

_Ele existe. Ele existe. Eu não sabia, eu não sabia. Por que resisti tanto? Ele existe.
_Quem?! Perguntei, já preocupado.
_Ele…
_Quem é Ele?

Tsé-Tsé parou de murmurar e me olhou com um jeito assassino. Fiquei calado. Deixaria Ele existir numa boa. Não seria alvo de Tsé-Tsé por causa Dele, seja Quem for.

Fui sentar e esperei. Um bocado. Infinitamente. Tsé-Tsé continuava esticado. Ainda murmurava sei-lá-o-quê. Ficou daquele jeito até a hora de se fechar a Capela. Parecia ter criado raízes. Não saía do canto. Chamaram uns cinco guardas suíços. Foi na base da força e do grito. Tsé-Tsé- insultava a todos.

_Não, não, estou quase chegando lá! Seus viados! Bichas! Sodomitas! Pederastas! Vão dar o rabo para os cardeais! Ratzinger, seu Anti-Cristo!

Acho que não entendiam Tsé-Tsé — ainda bem.

Na  volta ao hotel, Tsé-Tsé não queria papo. Respeitei seu silêncio. Ele subiu e se trancou no seu quarto. Não entrei no hotel e fiquei olhando um tempão a Fonte de Trevis.

_É muito bonita…

Fiquei pensando em Anita Ekberg.

Aproveitei e joguei umas moedinhas na água cristalina. Fiz votos e pedidos.

Impossível odiar os deuses, aqui. Em Roma, não há lugar para Prometeu.

InscritosEmPedra
  1. Eu hein?! Por essas e outras é que não saio de Intermares, não há estátuas nem afrescos seculares. E mais, imagina se visse Berlusconi! Aqui só existem minhas pequenas e queridas tartaruguinhas quase extintas, elas me acalmam.

  2. Deixar o Reverendo ver estátua de Pio XII? Até que a reação foi comedida, levando em conta que a “obra” ficou inteira.

    A visão do teto da Capela Sistina deve ser mesmo coisa do outro mundo. Provavelmente só a verei em fotografias, pois detesto viajar.

    Boa a lembrança de “Anitona” Ekberg

Deixe um comentário