Acompanhe o RSS: Artigos | Comentários | Email

O vice e a estupidez

Sem Comentários

Se existe uma nova direita que não coloca um zê no Brasil e sabe negociar, os tucanos procuraram uma outra direita para compor a sua chapa à presidência. Os tucanos são inteligentes e competentes: sabem o que é um reaça. Sabem como encontrá-lo. Têm o toque de Midas da Reação: onde tocam, surge um reaça, feito cogumelo em dias de chuva. Mas não sei se é nova ou antiga a direita representada pelo deputado federal do DEM, Índio da Costa; sei apenas que é bem direita, bem reaça. Sinceramente, acho a direita brasileira eterna (passado, presente e futuro confundem-se). Sua característica marcante é a estupidez. Não afirmo que os reaças sejam necessariamente estúpidos — longe disso; digo apenas que as pessoas estúpidas são comumente reaças (John Stuart Mill disse alguma coisa parecida, se minha memória não me engana).

(alguém pode perguntar pela esquerda brasileira. Mas, atualmente, tem pouca gente de esquerda no país. Estão escondidos nalgum lugar. Além do mais, a esquerda real não é estúpida, e sim oportunista)

Nesse sentido, Índio da Costa, o vice de Serra, além de reaça, é estúpido. Até aqui, tudo muito lógico, e não saímos da tradição conservadora brasileira. Acho até que estúpido é pouco para o deputado, pois o rapaz condensa séculos de parvoíce do reacionarismo tupiniquim. É um símbolo, um vetor da suprema babaquice.

Foi contra o pré-sal, o que não é, necessariamente, uma idiotice, mas foi a favor da proibição de coxinhas e pirulitos em cantinas escolares. Entendo a imbecilidade do deputado, pois as crianças, de fato, estão gordíssimas, além de insuportáveis, juntamente com seus pais. Talvez, a causa da gordura e da chatice  infantis seja a coxinha e o pirulito. Meu medo é um só: a proibição de pirulito pode levar ao contrabando ilegal dessa mercadoria — pior: pode levar crianças inocentes ao tráfico dessa guloseima, o que é perigosíssimo. Outrossim, como o rapaz é moralista, talvez perceba coxinhas e pirulitos como metáforas perigosas, principalmente o pirulito, e sabemos que as metáforas, quem sabe, até mesmo as metonímias, aliás, as palavras, cá entre nós, podem causar tempestades — chupar um pirulito, por exemplo, pode levar uma criancinha à devassidão.

O rapaz foi contra o envio de ajuda humanitária ao Haiti — tudo bem, aqui é só uma questão de egoísmo. O deputado não gosta de haitianos, ponto. Inclusive, acusou o envio de socorro como um sinal de que o governo brasileiro tinha tomado cachaça — a relação é, indiscutivelmente, uma bestice, mas curiosa e interessante (nunca pensei em relacionar ajuda humanitária com cachaça). Porém, a estupidez encarnou mesmo quando, no primeiro mandato de vereador do Rio, apresentou projeto de lei para punir os cariocas que dão esmola a pedintes. Foi a Asneira Pura, só encontrada na Daslu ou na filosofia pós-estruturalista francesa. E, sinceramente, não pensei que, mesmo um reaça, chegasse a esse nível tão extraordinário de tolice. O texto do mentecapto dizia:

“Fica proibido esmolar no município, para qualquer fim ou objeto (…). Quem doar esmola pagará multa a ser definida.”

A mendicância, para o vice de Serra, é um vício; talvez, fruto da vontade de todo pobre (ao invés de procurar trabalho, o pobre mendiga ou bebe — será que foi por isso que o deputado fez a relação entre ajuda humanitária e cachaça?). A demofobia e o nojo à pobreza são características da direita brasileira — não é ridículo, e sim apavorante. E, claro, seguindo a tradição, o deputado defende, também, a pena de morte — provavelmente, para pessoas que vendem pirulitos, enviam ajuda ao Haiti e dão esmola.

_É um estúpido, mas é honesto! Exclamaria um serrista.

Não, não, parece que não é honesto. Uma tucana, a vereadora do PSDB Andrea Gouvêa Vieira, fala horrores do vice de Serra. É um “ficha suja”, diz. Fogo amigo brabo. A vereadora foi relatora de uma CPI que investigou irregularidades nos contratos de merenda escolar no Rio, quando Índio ocupava a Secretaria de Administração (2001 a 2006). Há indícios de formação de cartel e desvio de dinheiro.

A tucana sobe o tom, fazendo avaliações pessoais sobre o vice:

_É uma pessoa que é arrogante, prepotente, que aqui no mundo político do Rio de Janeiro não é popular, um nome que poucos sabem quem é e tem dificuldade de transitar.

O depoimento da tucana é interessante, já que nuança a estupidez do rapaz. Caso esteja correta, o deputado do DEM é esperto demais na alocação de recursos. E fico matutando sobre essa história de merenda escolar no Rio. Será que tem relação com as invectivas do deputado contra as coxinhas e os pirulitos?

Não acho, sinceramente, estúpida essa pergunta.

Sementeiras

Deixe um comentário