Acompanhe o RSS: Artigos | Comentários | Email

Para além da prepotência, a mediocridade

16 comentários


Dunga, o capitão brasileiro que ergueu a taça sagrada com um… palavrão.

Tsé-Tsé entende de futebol. Foi o mais implacável zagueiro de Bel-O-Kan. Exorcisava qualquer atacante. Leiam a sua reação diante da convocação da seleção de Dunga.

Por Tsé-Tsé

Para um sacerdote cansado de guerra, foi muito difícil ver e ouvir pela TV o discurso dos responsáveis técnicos de nossa seleção de futebol.

Acho que foi Samuel Johnson ─ e, depois, repetido à exaustão por Milor Fernandes ─ o primeiro a escrever que “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas”. A direita brasileira que o diga!

É bem verdade que o futebol é o nosso circo preferido, à falta do pão nosso de cada dia. É verdade também que a seleção de Dunga ─ o preguiçoso anão de Branca de Neve ─ ganhou algumas competições a duras penas. É verdade, finalmente, que nem sempre o sucesso significa excelência em qualidade.

O discurso grotesco de Dunga é sequência do que sempre diz o seu patrão, a CBF. Nada a estranhar, salvo um certo gosto de podridão e de velhacaria. E de prepotência!

Jorginho ─ o auxiliar técnico ─ no entanto, foi mais além. Presenteou-nos com um verdadeiro sermão messiânico, missionário e de cunho nitidamente evangélico. Do que se dizia, anos atrás, oriundo do “baixo protestantismo”, isto é, de seitas comerciais, tipo Igreja Universal do Reino de Deus e a Renascer de Kaká.

Não merecíamos! Sofremos com a mediocridade de Dunga, cerca de três anos seguidos. Não precisávamos, agora, de nenhum sermão nem de nenhum discurso reacionário de quem é pago para convocar os melhores jogadores do país. Não é a Pátria que está em jogo. Trata-se apenas de nosso futebol, seria bom concluir.

Os jogadores convocados não têm nenhuma culpa no cartório. São profissionais e sentem-se muito honrados com o fato. Nada a acrescentar.

Porém, os nomes de muitos deles não mereciam nem sequer figurar como titulares nos times que defendem. E alguns não são titulares. Outros são jogadores que estacionaram no tempo, ora pela mediocridade técnica, ora pela própria idade, como Gilberto Silva, por exemplo.

É difícil torcer por uma seleção de futebol de tal nível. Porque somos brasileiros? Duvido! Torço pelo bom futebol, mesmo que não saia vitorioso de uma dada competição.

Tampouco acho que não temos chance de ganhar o campeonato da Fifa. Afinal de contas, ganhamos outras e quase todas, é bom dizer, com um baixíssimo índice técnico, especialmente de 1990 para cá. Jogadores cansados, esgotados pelos seus campeonatos regionais, nenhuma inovação técnica nas seleções dos diversos países, etc e etc.

Pois bem! Veremos os Elanos, os Josués, os Gilbertos Silva, os Donis e não sei mais quem. Mas, veremos, sobretudo, a fúria do anão, à beira do campo, não como um herói, mas como um palhaço do mau futebol. Quem sabe, vencedor!

Lamento!

Sementeiras
  1. É o pior meio-campo de seleção brasileira de todos os tempos. E Kaká está meia-boca e não tem substituto. Será nosso Raí.

    Mas a seleção de 94, nesse quesito, era melhor, pois Dunga e Mauro Silva eram bem melhores do que Gilberto Silva e Felipe Melo (?), e Zinho era melhor do que Elano ou Júlio Batista ou Ramirez.

    Não temos nenhum super-craque, só um craque meia-boca.

    Temos uma super-defesa e um bom ataque.

  2. E em 94 a defesa era melhor também.
    Aliás, naquela copa jogamos com 8 na defesa e 2 no ataque.

    Concordo inteiramente. Esse meio campo é ridículo.

    Em outros tempos, Doni, Gilberto (que nem ao menos está jogando de lateral no Cruzeiro), Felipe Melo, Gilberto Silva, Josué, Júlio Batista, Ramirez e mesmo o simpático Grafite nem passariam perto da seleção.

    Nada pessoal contra os caras, que tem mais é que ficar felizes mesmo. Mas, torcerei contra o anão perdido de Branca de Neve e seu patrão.

  3. Mais um motivo para eu não fazer assinatura de televisão.

  4. Recomendo a leitura dessa matéria que saiu na edição de abril da revista da ESPN:

    http://espnbrasil.terra.com.br/dunga/noticia/120118_TODO+PODEROSO

  5. Sei não.

    Acho que o futebol é um sujeito depressivo e suicida. Como em 82, é capaz da seleção italiana, agora vestida de verde e amarelo, ganhar a copa. O Brasil, que agora veste vermelho e tem o apelido de fúria, pode perder justo para a… itália, nas oitavas.

    Artur, você precisa urgentemente receitar uns remediozinhos para o futebol.

  6. É possível. Mas não dá para comparar o time de Dunga nem mesmo com aquela Itália.

    De cara posso citar pelo menos alguns excelentes jogadores deles: Tardelli, Antognoni,Antônio Cabrini (um dos maiores laterais que vi jogar), Bruno Conti e o próprio Paolo Rossi, que havia feito uma excelente copa na Argentina e não era apenas um atacante oportunista. Sem contar o sistema defensivo perfeito, comandado por Gentile e Scirea.

    Lógico que perde feio, tecnicamente falando, para o nosso time de 82. Não há comparação possível. Mas nossa seleção parecia crer que poderia ganhar quando lhe desse na telha, enquanto os subestimados italianos mordiam e rasgavam camisas em campo.

    Eles foram horríveis na primeira fase, mas, ganharam fácil da mesma Argentina na qual metemos 3×1. O sinal amarelo deveria ter acendido aí – ou seria azul?.

    Dunga está crente de que a manutenção do mesmo grupo, com todos dizendo amém em uníssono, levalo-á (ui!) à glória. Espero que leve à PQP com passagem só de ida.

  7. Bosquímano, você que morou na Espanha, pode esclarecer a razão do nome “a fúria”?

    É por que ela sempre deixa seus torcedores furiosos?

    Falta essa na minha cultura futebolística.

  8. Não convocar o Ganso… não há justificativa plausível. (Atenção, não é nenhum tipo de trocadilho infame, é um lamento mesmo).

  9. Vi o segundo tempo do jogo do Santos com o Grêmio e me senti ainda mais indignado. O Ganso é um jogador que não existe mais. O cara “acha” os atacantes e os põe na cara do gol com passes finíssimos, que a gente acha simples e fáceis de fazer quando vê.

  10. Zé Simão:
    Não deu nem Pato, nem Ganso. Deu Burro!

  11. Não sei, Ducaldo. Vou procurar saber, perguntarei ao PVC…

  12. Na década de 50, na Europa, a seleção espanhola jogava no ataque, tendo um jogo “agressivo”; por isso, foi chamada de “fúria”. Tinha como base o vitorioso Real Madrid e, para alguns, o melhor jogador argentino (naturalizado espanhol) de todos os tempos: Di Stéfano.

    A Fúria teve a chance de fazer uma grande copa em 62, mas perdeu dos tcheco-eslovacos e, no roubo, do Brasil. Aquele penalti não marcado foi demais! Foi a partida mais difícil da canarinha, praticamente a final.

    Foi uma copa estranha. Uma reportagem do jornal espanhol “Barça”, publicado em 14 de junho de 1963, denuncia e dá os nomes de quatro árbitros que teriam sido subornados para facilitar as coisas para a Seleção Brasileira no Chile: Sérgio Bustamente, chileno, juiz da polêmica partida Brasil e Chile, a última da fase de classificação; Pierre Schwinte, da França, árbitro de Brasil 4, Inglaterra 2, pelas quartas-de-final; Nokolai Latichev, da Rússia, que atuou na final Brasil 3, Tchecoslováquia 1, e Esteban Marino, do Uruguai, que foi bandeirinha dos jogos Brasil 2, Espanha 1, e Brasil 4, Chile 2. Marino também era o bandeirinha do pênalti não marcado contra a Espanha

    A revista FourFourTwo diz que o ex-árbitro Olten Ayres de Abreu declarou que o bandeirinha uruguaio Esteban Marino foi subornado para não comparecer ao julgamento de Garrincha, o que permitiu ao essencial jogador brasileiro – expulso na semifinal, contra o Chile – jogar a final contra a Tchecoslováquia.

  13. Irmãos: Fúria?!!! É como está cheia dela a torcida brasileira, hehehehe…

  14. Reverendo, a torcida está furiosa agora, mas, quando chegar a copa, vai ser o de sempre – aquela pasmaceira patriótica.

    E dá-lhe “guerreiros” de dunga. A campanha publicitária é uma das piores de todos os tempos.

  15. É mas com esse time, está mais para afundar o ganso que afogar o ganso.

  16. Segundo o burronegro em tempo integral e dublê de comentarista aposentado Fernando Menezes, o anão convocou o que temos de “melhor”.

    Fico imaginando como seria o pior……

Deixe um comentário